Escolha uma Página

Era uma vez uma ladeira muito íngreme e ao seu pé dois amigos, José e João, montaram duas bancas de frutas. Tudo caminhava bem, até que um dia um caminhão descontrolado destruiu o único meio de vida de ambos e fugiu sem deixar rastros.

José, decidiu sentar sobre o prejuízo e chorar descontroladamente, lamentando a própria sorte, maldizendo a ladeira, o motorista, o caminhão… E dizem que até hoje ele está lá chorando as cebolas do Egito.

João, também sentou e chorou, afinal de contas seu sonho foi destruído e não sabia de onde retirar seu sustento. Se permitiu derramar todas as lágrimas que tinha para chorar, porém ao contrário do amigo, percebeu que o mundo não pararia para que ele pudesse se refazer, tampouco adiantaria maldizer o caminhão ou a ladeira. Portanto se levantou, juntou o que restou da barraca e ficou triste quando viu que só alguns limões poderiam ser aproveitados, mas seguiu adiante.

Nosso amigo pegou seus limões, encontrou outro lugar, montou outra banquinha e se reinventou, passou a vender limonada. E, ele que até então só sabia vender frutas, se viu fazendo a melhor limonada que aquele pedaço de chão conheceu algum dia. João se encontrou pela primeira vez e experimentou uma sensação única conhecida apenas por aqueles que têm o prazer de fazer o que realmente gosta.

Sua fama correu léguas e todos que passavam por ali queriam conhecer aquela bebida refrescante. Sucesso total! A vida seguiu, o negócio cresceu e João foi em frente construindo o seu “feliz para sempre” dia após dia com gelo, açúcar e limão.

Não são raras as vezes em que o caminhão descontrolado vem em nossa direção e leva embora nossos sonhos, nossos projetos ou até mesmo pessoas que nos eram raras e desestabiliza tudo muito de repente. Infelizmente não temos nenhum controle sobre estas circunstâncias que, invariavelmente, nos tomam completamente de surpresa.

Muitos de nós, assim como José, desaba e não consegue se refazer, até porque não é fácil sacudir a poeira, dar a volta por cima e continuar a percorrer os nossos desertos. Outros se assemelham a João que se levanta, se refaz , vai a luta e consegue dar a volta por cima.

Neste preciso momento, meu amigo, minha amiga, um caminhão desgovernado veio na direção de cada um de nós, indistintamente e destruiu muitos dos nossos projetos, aniquilou alguns dos nossos planos , adiou outros tantos sonhos e nos tirou a liberdade de ir e vir.

Após o choque e o choro, com certeza veremos que sobrarão alguns limões, mesmo que tenhamos perdido a nossa banquinha de frutas. Temos a escolha de refazer projetos, sonhar novos sonhos, traçar novas metas e descobrir novos horizontes ou podemos também sentar e chorar desesperadamente.

Que possamos encontrar serenidade e resiliência suficientes para fazer a escolha certa.

%d blogueiros gostam disto: